sábado, 22 de julho de 2017

Paraense não arrisca e ganha prêmio de consolação no programa de Luciano Huck

Paraense não arrisca e ganha prêmio de consolação no programa de Luciano Huck (Foto: Reprodução)
Reginaldo Foro não arrisca e leva R$ 30 mil no 'Quem Quer Ser Um Milinonário?' (Foto: Reprodução)
Não foi desta vez que um paraense ficou milionário em um programa de televisão aberta. O concurseiro Reginaldo Foro, natural de Moju, não quis correr o risco de sair de mãos abanando no quadro 'Quem Quer Ser Um Milionário?', do programa Caldeirão do Huck, da TV Globo, deste sábado (22).
A pergunta que Reginaldo não quis arriscar questionava sobre quem teria sido o co-autor da novela Roque Santeiro de 1985.
Depois de desistir, o apresentador global perguntou a Reginaldo se gostaria de escolher alguma das alternativas apenas para saber se acertaria a resposta. O paraense escolheu a letra "C", a de Aguinaldo Silva. Era a resposta correta. Reginaldo e Luciano riram juntos em seguida. 
Reginaldo contou a Huck que vai usar o dinheiro para pagar dívidas que estão pendentes.

Sandy desce até o chão e viraliza

Sandy desce até o chão e viraliza (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
A cantora Sandy mostrou o poder do seu rebolado por meio de um vídeo publicado no Twitter. Ao lado de Tiago Iorc e do duo AnaVitória, ela aparece “descendo até o chão”.

A dancinha foi uma comemoração por sua indicação ao Prêmio Multishow. O vídeo foi postado pelo marido dela, o músico Lucas Lima em seu perfil oficial no Twitter.

A artista concorre como finalista nas categorias “melhor cantora” e “melhor música”. Ela disputa a categoria com Ivete Sangalo, Marília Mendonça, Anitta e Joelma. Tiorg também disputa a premiação de melhor cantor ao lado de Luan Santana, Thiaguinho, Wesley Safadão e Lucas Lucco.
A cantora já tinha mostrando seus dons para a dança ao lado de Anitta, no “Música boa ao vivo”, e deixado os admiradores eufóricos. No “Caldeirão do Huck”, Sandy também arriscou passinhos ao som de uma canção.
Fonte: Metropoles

PF conclui que Jucá, Renan e Sarney não obstruíram Justiça

PF conclui que Jucá, Renan e Sarney não obstruíram Justiça (Foto: Reprodução )
(Foto: Reprodução )
A Polícia Federal concluiu em relatório que não há prova de crime de obstrução à Justiça por parte dos senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL) e do ex-senador José Sarney (PMDB-AP) no caso investigado a partir da delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.
A polícia também propôs que Machado deixe de obter os benefícios do acordo de delação fechado em 2016 com a Procuradoria-Geral da República e homologado pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki, morto em janeiro passado.
O relatório é assinado pela delegada Graziela Machado da Costa e Silva e foi entregue nesta sexta (21) ao Supremo. A conclusão será avaliada pela PGR, a quem cabe pedir arquivamento ou denunciar os investigados. O órgão também poderá pedir mais prazo para novas diligências.
No ano passado, a Procuradoria pediu a prisão dos três políticos, acusando-os de obstrução à Justiça. As prisões foram negadas por Teori.
No relatório, a delegada trata de gravações feitas por Machado com os três em que, na avaliação da PGR, eles discutiram formas de obstrução da Lava Jato.
A delegada, no entanto, afirmou que "as conversas estabelecidas entre Sérgio Machado e seus interlocutores limitaram-se à esfera pré-executória, ou seja, não passaram de meras cogitações" e que "as condutas evidenciadas não atingem, numa concepção exclusivamente criminal, o estágio" de se provar "o delito em questão".
As conversas foram gravadas por Machado entre fevereiro e março de 2016. Em uma delas, reveladas pela Folha de S.Paulo em maio daquele ano, Jucá falou da necessidade de um "acordo nacional", que incluiria membros do STF, para "estancar a sangria" da Operação Lava Jato.
"Só política, como é a política, tem que resolver essa porra, tem que mudar o governo pra poder estancar essa sangria", disse Jucá, conforme a transcrição feita pela PF.
O senador também falou sobre a "solução Michel", em referência à substituição da presidente Dilma Rousseff pelo seu então vice, Michel Temer (PMDB-SP), o que veio a ocorrer depois do diálogo, com o impeachment e afastamento da presidente do cargo.
Após a revelação do teor do áudio, Jucá pediu demissão do cargo de ministro do Planejamento do governo de Temer, que acabara de ter início, de forma interina, após o afastamento de Dilma pelo Senado no processo de impeachment.
O episódio gerou a primeira grave crise política no Palácio do Planalto. Hoje, Jucá é líder do governo no Senado. Na época dos diálogos, Renan presidia a Casa.
Para a delegada, não ficou comprovado que os três tenham procurado impedir que o inquérito que investigava Machado, em Brasília, no STF, fosse enviado à primeira instância da Justiça Federal, para o juiz de Curitiba (PR) Sergio Moro. O delator pedia, nas conversas com os três, que o inquérito permanecesse no Supremo.
Para a delegada, "não são poucas as vezes em que ele próprio, Sérgio Machado, instiga a adoção do procedimento que ora delata e ao qual foi atribuído viés criminal".
Segundo o relatório policial, o tipo penal da obstrução à Justiça "sofre duras críticas da doutrina, por ser extremamente aberto, gerando insegurança e perplexidade ao intérprete. A dificuldade se soma ainda ao limiar da definição do que seria a "criminalização da política" e a atividade parlamentar livre e imune".
A delegada disse que, ao longo da investigação, "com uma nova oportunidade de esclarecimento por parte do colaborador e apresentação da versão dos interlocutores das gravações, bem como análise da atuação parlamentar dos investigados, não conseguimos vislumbrar a concretização dos núcleos do crime "obstrução à justiça"".
A PF diz ainda ter investigado se os três políticos tentaram fazer mudanças legislativas para embaraçar a Lava Jato. Ela concluiu que "não foram encontradas proposições relacionadas especificamente aos temas de leniência, colaboração premiada e execução de pena após condenação em segunda instância".
Para a policial, "qualquer iniciativa tendente a modificar a legislação atual não escaparia de percorrer o processo legislativo estabelecido na Constituição Federal, o que lhe daria legitimidade".
Ouvido pela PF, Jucá disse que "o processo de impeachment poderia ser barrado naquela corte [STF], como efetivamente se tentou fazer, sendo necessário que houvesse uma conversa entre todos os "atores", incluindo Executivo, Judiciário e Legislativo, sendo que a função do STF seria a de modular ou balizar o processo de impeachment que, ao final, acabou fazendo".
Segundo o senador, "o contexto da conversa era sobre uma solução política que envolvia a substituição do presidente da República, consistindo no grande crise que abalava o país, e não sobre a operação Lava Jato".
Fonte: FolhaPress

Gêmeas recém-nascidas são abandonadas em terreno baldio

Gêmeas recém-nascidas são abandonadas em terreno baldio  (Foto: Reprodução )
(Foto: Reprodução )
Duas gêmeas recém-nascidas foram abandonadas em um terreno baldio nesta sexta-feira (21) em Curitiba, Paraná. Após denúncia feita pelo número 190, a Polícia Militar ouviu de moradores que as crianças estavam envoltas em cobertores e foi até o local.
De acordo com os relatos colhidos pelos PMs, as gêmeas foram deixadas por uma pessoa que dirigia um veículo de cor prata. O suspeito ainda não foi identificado e os pais também não foram encontrados.
As bebês estão saudáveis e foram encaminhadas à maternidade mais próxima. O Conselho Tutelar de Curitiba investiga o caso.
(Com informações de Gazeta do Povo)

Ônibus com dezenas de itaitubenses é assaltado na estrada, prejuízo calculado é de cerca de R$ 20.000,00

Por
 Portal Giro
 -

    
Foto de família durante a viagem de ida de Itaituba/Araticum, na volta apenas um deles não estava
Um ônibus com dezenas de itaitubenses, foi vítima de assalto no estado do Maranhão, mais precisamente na cidade de Barra do Corda centro do estado. O portal Giro recebeu a informação em primeira mão através de amigos e familiares das vítimas. Todas as informações foram repassadas por Adalto Prado, empresário de Itaituba proprietário da loja Sapataria Fortina, junto com ele estavam 03 de seus filhos e outros familiares.
O ônibus saiu da cidade de Araticum-CE na madrugada de sexta-feira (21) com destino a Itaituba. Por volta das 04:00 da madrugada deste sábado (22), segundo informações dos passageiros, aproximadamente oito homens com armamento pesado interceptaram o veículo, renderam o motorista e fez o mesmo dirigir em direção a uma estrada de terra. A partir daí os passageiros relatam que sofreram grandes humilhações, e praticamente todos os seus pertences valiosos como: Celulares, Relógios, Jóias e até as malas foram tomados pelos bandidos. Alguns passageiros, por sorte, conseguiram esconder os celulares. Eles relatam ainda que suas carteiras, portando documentos e dinheiro, foram reviradas e jogadas na estrada, e devido a falta de iluminação foram obrigados a esperar nascer o dia para recolherem e seguir viagem.
Foram cerca de 40 minutos de terror, e logo após, os passageiros calcularam e chegaram a conclusão de que o prejuízo seria por volta de 20 mil reais em dinheiro e bens materiais. A família informa que estão todos bem e foram apenas perdas materiais, continuam a caminho de Itaituba.
Fonte: Portal Giro, com informações de amigos e familiares das vítimas

Ex de Luiza Brunet chama Lei Maria da Penha de “Leizinha vagabunda”

Ex de Luiza Brunet chama Lei Maria da Penha de “Leizinha vagabunda” (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
O empresário Lírio Parisotto criticou a Lei Maria da Penha após ser condenado por agredir a modelo Luiza Brunet, de acordo com informações da coluna Radar On-Line, da Veja, assinada por Gabriel Mascarenhas.
Durante um encontro com dois deputados em um restaurante, ele sugeriu que os parlamentares revogassem a norma que prevê penas mais duras para casos de violência doméstica.
“Leizinha vagabunda é essa tal de Maria da Penha. Vocês tinham que revogá-la”, disse Parisotto para os deputados Benito Gama (PTB-BA) e Arthur Maia (PPS-BA), relator da Reforma da Previdência.
Parisotto foi condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), em 5 de junho deste ano, a um ano de detenção em regime aberto, por agredir Luiza Brunet em maio de 2016. A decisão é da juíza Elaine Cristina Monteiro Cavalcanti, titular da Vara Central de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.
(Com informações do Metrópoles)

Bruna Marquezine posa com a irmã de 14 anos e detalhe chama atenção

Bruna Marquezine posa com a irmã de 14 anos e detalhe chama atenção (Foto: Reprodução/Instagram)
As duas posaram juntas e semelhança intrigou internautas. (Foto: Reprodução/Instagram)
Bruna Marquezine posou com a irmã Luana Marquezine. O registro foi compartilhado pela atriz no Instagram Stories e chamou a atenção dos internautas. As informações são do Extra.
Luana, de 14 anos, está cada dia mais parecida com a irmã famosa.

A semelhança entre as duas chamou a atenção dos internautas. Confira:








E você, também achou as duas parecidas?
(Com informações do Extra)