sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Estuprou, degolou, botou fogo em idosa e ainda riu no tribunal; veja o vídeo

Estuprou, degolou, botou fogo em idosa e ainda riu no tribunal; veja o vídeo (Foto: Kiro7)
(Foto: Kiro7)
Uma mulher foi assassinada brutalmente em sua casa, na segunda-feira, em Seattle, Estados Unidos. O crime foi imprevisível e teve requintes de crueldade.
Jennifer Ayers, 63, foi amarrada, estuprada, degolada e queimada, supostamente por Michael Giordano, 23.
Giordano foi visto de fora da casa por um vizinho que chamou os paramédicos às 8:30 da manhã para informar que talvez ele precisasse de ajuda.
Ignorando o que acabara de acontecer dentro da casa de Ayers, o vizinho disse que suas mãos estavam cobertas de sangue.
Os paramédicos foram enviados e eles interrogaram o homem, mas o liberaram quando ele disse que ele não precisava de sua ajuda.
Uma hora depois, o mesmo vizinho chamou o 911 para dizer que encontrou os cartões de crédito da Ayers nos arbustos.
A polícia então correu para a casa da mulher e encontrou seu corpo, em chamas. Sua garganta tinha sido cortada várias vezes e ela estava amarrada com uma faca mergulhada em uma de suas nádegas, disseram as autoridades.
Giordano foi preso 5 horas depois de se envolver em outra briga. Quando a polícia o encontrou, ele mostrou suas mãos e disse: "Este sangue não é meu".
Uma vez em custódia, ele confessou ter matado a mulher no início do dia.
Ele disse que foi à sua casa por causa dos caros carros. Ele encontrou a porta dos fundos aberta.
Uma vez dentro, ele exigiu que Ayers lhe dissesse aonde estavam seus objetos de valor.
Quando ela deu seus cartões de crédito, Giordano a estuprou e a esfaqueou até a morte.
Ele disse às autoridades que queria queimar a virilha da vítima para tentar encobrir o ataque sexual.
Em um esforço para despistar a polícia, ele usou seu sangue para escrever mensagens satânicas nas paredes da casa e fugiu.
Quando os oficiais encontraram o corpo de Ayers, a casa ficou cheia de fumaça. Eles disseram que havia uma quantidade "significativa" de sangue dentro da casa.
Durante a sua primeira apresentação no tribunal na quarta-feira, Giordano sorriu, riu e falou com as câmeras da imprensa.
Não se sabe nada sobre seus antecedentes ou se ele estava sob a influência de qualquer droga quando realizou o ataque.
Na segunda-feira, ele estava usando chinelos e calças de pijama preto quando era visto fora da casa.
Os vizinhos de Ayers ainda estão sofrendo de sua morte e dizem que estão preocupados com seu filho adulto e com o cachorro da mulher.
Acredita-se que ela vivia sozinha.
"Não consigo imaginar que apenas pensar nisso me faz querer vomitar", disse Erika Olsen à estação de Seattle Q13 Fox.
Todos os vizinhos ficam chocados e assustados com a atrocidade e imprevisibilidade do assassinato.
“Poderia ter sido qualquer um”, diz um dos vizinhos de Jennifer Ayers. "Poderia ser algum de nós, e eu estava em casa e eu tinha deixado a minha porta destrancada no início desse dia, então eu estava só - é tão difícil achar as palavras até mesmo dizer", acrescentou.
Outros disseram que Ayers era sociável e independente. Ela viveu na área por décadas e muitas vezes foi vista caminhando seu cachorro.
"Eu vivi aqui no bairro por 36 anos e ela já estave aqui há muito tempo. Ela era uma pessoa maravilhosa. Ela caminhou seu cachorro todos os dias pela minha casa e caminhamos juntos. Nós estávamos todos a fazer café da manhã esta semana porque era o aniversário de nossos outros vizinhos 80 anos. Ela sempre cuidou de si. Fez todo o trabalho em sua própria casa - ela é apenas a pessoa mais inteligente e maravilhosa que você quer saber ", disse Monica Rappin.
(Com informações de Daily Mail)

5 dicas para curtir o Carnaval sem DST’s 

5 dicas para curtir o Carnaval sem  DST’s  (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)
O Carnaval é um período de festas e de grande apelo sexual, onde as pessoas abusam de bebidas alcoólicas, deixam de lado o uso de métodos contraceptivos e negligenciam os cuidados com medidas preventivas contra a propagação de doenças durante as relações sexuais. 
Com isso, aumentam os riscos para a transmissão das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's) nessa época do ano. Causadas por vírus, parasitas e bactérias, as DST"s são transmitidas, principalmente, durante o ato sexual e brincadeiras prévias, sem proteção, com uma pessoa infectada.
O resultado é o aparecimento de feridas, corrimentos, bolhas e verrugas, que podem evoluir para a infertilidade definitiva e mesmo para complicações mais graves como câncer e até a morte. Por essa razão é recomendado, além da prevenção, o diagnóstico rápido e preciso da moléstia bem como a instauração do tratamento sem demora.
O Dr. Basbaum elaborou cinco medidas de segurança para você adotar no Carnaval.
1 - Use camisinha
O uso da camisinha durante as relações sexuais, além de evitar a gravidez indesejada, está indicada    inclusive durante o sexo oral, prevenindo a contaminação não só pelo vírus da AIDS como também da  hepatite B e C , gonorreia, herpes, sífilis, tricomoníase, candidíase, cancro mole,  entre outros
2 - Evite contato com vasos sanitários
No Carnaval, os banheiros públicos costumam receber um número muito grande de foliões. Por isso, evite contato com os assentos dos sanitários e lave as mãos corretamente antes e depois do uso. Esses cuidados previnem o contágio de várias doenças infecciosas.
3 - Não compartilhe objetos pessoais e roupas íntimas
É muito comum nesta época nas viagens com família e amigos, compartilhar copos, talheres, toalhas, roupas de banho, banheiras, bidês entre outros. Esta prática também pode causar contaminação de diversas doenças transmissíveis, inclusive através da saliva.
4 – Não fique com trajes de banho úmidos por tempo muito longo
Doenças fúngicas (micoses) como a candidíase, se proliferam em ambientes úmidos e quentes. O ideal é tomar banho logo após a praia ou piscina e vestir roupas secas.
5 -  Evite beijar na boca de pessoas desconhecidas
O beijo transmite doenças como herpes labial, gengivite, candidíase, HPV, mononucleose, entre outros. Se a boca estiver ferida, ainda há risco da transmissão do vírus da aids, entre outros.
(Com informações do Dr. Cláudio Basbaum)

PM que levou tiro na cabeça durante treino em Marituba morre

PM que levou tiro na cabeça durante treino em Marituba morre    (Foto: Via WhatsApp)
(Foto: Via WhatsApp)
O cabo da Polícia Militar Wagner Martins Santa Rosa não resistiu ao ferimento e morreu nesta sexta-feira (19), após ser baleado durante uma instrução de tiro da Companhia de Operações Especiais (COE) no Instituto de Ensino de Segurança do Pará (IESP), em Marituba.
A informação foi confirmada pela Polícia Militar. 
A vítima chegou a ser socorrida e levada em uma ambulância do Corpo de Bombeiros Militar (CBM) para a Unidade de Pronto Atendimento do conjunto Almir Gabriel. Em seguida foi encaminhado Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), onde morreu. 
(DOL)

Playstation 4 Pro chega ao Brasil por R$ 3.000

Playstation 4 Pro chega ao Brasil por R$ 3.000 (Foto: )
A Sony divulgou que o novo Playstation 4 Pro deve chegar ao Brasil no dia 19 de fevereiro, no valor estimado de R$ 3.000.

O PS4 Pro, embora considerado um console de meia-geração (que ainda utiliza a mesma plataforma e sistema do PS4 Slim) é mais potente que seu antecessor e pode rodar games em resolução 4k.

A previsão era de que o console no país em dezembro de 2017, um ano depois do lançamento nos EUA, no final de 2016.
O modelo Pro possui 8GB de memória RAM e processador AMD Jaguar de oito núcleos. A versão vendida no brasil também será equipada com 1 TB de espaço interno.

A Sony garante que o console novo será compatível com todos os jogos e assessórios do antecessor, com a diferença de que, agora, a qualidade será melhor. No comunicado enviado à imprensa, a empresa explica que alguns games devem rodar em resolução Full HD.

Apesar do preço alto, o Playstation 4 Pro chega no Brasil com valor mais acessível que o de seu concorrente, o Xbox One X, da Microsoft, vendido desde dezembro por cerca de R$ 4.000.

O PlayStation 4, PlayStation 4 Pro e o óculos de realidade virtual do Playstation na feira Tokyo Game Show, no Japão, em 2016 Reuters O PlayStation 4, PlayStation 4 Pro e o óculos de realidade virtual do Playstation na feira Tokyo Game Show, no Japão, em 2016.
Fonte: FolhaPress

Nova testemunha viu descarte de corpos de crianças esquartejadas

Nova testemunha viu descarte de corpos de crianças esquartejadas (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)
A Polícia Civil do Rio Grande do Sul conseguiu uma testemunha chave para solucionar mais elementos das mortes de duas crianças esquartejadas em um suposto ritual satânico: essa pessoa afirma ter visto o descarte dos restos mortais das vítimas, na Estrada Porto das Tranqueiras, no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo.
Segundo informações do delegado Rogério Baggio, responsável pelo caso, a testemunha viu o descarte dos corpos no dia 4 de setembro do ano passo. Ela relatou que presenciou o momento em que dois homens, que estão presos, deixaram sacos plásticos e caixas na estrada.
Os acusados estavam em um carro que foi descrito pela testemunha. A polícia já localizou o veículo.
De acordo com Rogério Baggio, a cena ficou marcada na memória dessa pessoa porque ocorreu no dia do aniversário do filho. Ela foi levada até o local e conseguiu indicar o ponto do descarte, além de reconhecer os dois suspeitos.
Até então, o inquérito contava com o relato de apenas uma testemunha ocular, que teria visto o suposto ritual no terreno de uma casa em construção.
Buscas no templo
Na última terça-feira (16), o templo do "bruxo" Sílvio Rodrigues, em Gravataí, passou por uma análise com uma substância chamada luminol, para encontrar vestígios de sangue. Segundo o delegado, ainda não há resultado do exame.
O produto também foi aplicado em outros locais considerados "relevantes" pela polícia. Um deles foi o terreno de uma casa em construção onde teria ocorrido o ritual, na Estrada Porto das Tranqueiras, e nas casas dos suspeitos.
No templo, também foram utilizados cães farejadores dos Bombeiros e uma retroescavadeira. Ali foram encontrados ossos, que foram encaminhados para a perícia.
Também foram coletados objetos na casa dos suspeitos, em Novo Hamburgo e Gravataí. Na residência do argentino Jorge Adrian Alves, o delegado explica que não foi localizado "nada de relevante" e que o local estava vazio e abandonado. Jorge é suspeito de ter traficado as crianças da argentina para o ritual.
Quebra do sigilo bancário
A polícia conseguiu na Justiça a quebra do sigilo bancário dos investigados. Agora, os investigadores aguardam que os bancos repassem as informações. Os dados podem ajudar a comprovar um possível depósito de R$ 25 mil para a realização do ritual, que teria sido pago pelos empresários Jair da Silva e Paulo Ademir Norbert da Silva ao "bruxo" Sílvio Rodrigues.  
(Com informações do portal Zero Hora)